Toggle navigation

Série especial: Investimento Institucional em Bitcoin

Parte 3: A escassez do Bitcoin como proteção contra a inflação

Em um ambiente de temores inflacionários causados ​​pela pandemia do COVID-19, incertezas geopolíticas e preços mais altos dos ativos tradicionais, o Bitcoin é um ativo alternativo que está sendo cada vez mais usado por investidores profissionais como uma proteção eficaz contra a inflação.

À medida que a economia mundial se recupera, economistas e analistas preveem taxas de inflação mais altas do que nos anos anteriores. As previsões de inflação já causaram maior volatilidade e incerteza nos mercados de ativos tradicionais e digitais. Por exemplo, nos EUA, a inflação atingiu sua taxa mais alta desde 2008 no último mês de maio, quando a maior economia do mundo se recuperou fortemente da crise do coronavírus.

Na zona do euro, a inflação subiu além da previsão do Banco Central Europeu (BCE) em maio e atingiu seu nível mais alto em quase três anos.

Um estudo recente mostra resultados surpreendentes que apóiam a ideia de que o Bitcoin pode ser usado como proteção contra a inflação. Os pesquisadores descobriram que mudanças no preço do Bitcoin causam mudanças na taxa de inflação futura. No entanto, a direção oposta da causalidade não foi observada. De acordo com o artigo, os retornos do Bitcoin estão positivamente correlacionados com as taxas de expectativa futura da inflação.

Além disso, os balanços do banco central continuam em expansão. Com a crise do COVID-19, os bancos centrais aceleraram ainda mais a impressão de dinheiro. O balanço do Federal Reserve dos EUA ultrapassou US$ 7 trilhões, o que é comparável aos € 7 trilhões do BCE. Os bancos centrais parecem estar reféns dos mercados e se sentem forçados a intervir cada vez que as ações caem significativamente. As consequências não naturais desse comportamento estão se tornando cada vez mais óbvias e associadas ao aumento da inflação e à perda do poder de compra da moeda fiduciária.

Diante desse cenário, várias empresas listadas em bolsas, instituições e investidores profissionais estão considerando ou já investiram em criptomoedas como proteção contra a inflação. Trinta e três empresas públicas detêm coletivamente mais de 200.000 bitcoins, de acordo com dados da CryptoTreasuries. Juntos, eles representam 1,07% do estoque total de bitcoins em circulação e são equivalentes a US$ 8,1 bilhões com base no preço em 15 de junho de 2021. Entre essas empresas estão: Meitu (cliente da OSL), MicroStrategy, Tesla, Galaxy Digital Holdings, Voyager Digital , Square e Marathon Digital Holdings.

A principal razão pela qual o Bitcoin e outros ativos digitais são vistos como uma proteção viável contra a inflação é devido à sua natureza inerentemente desinflacionária. O Bitcoin foi criado com uma propriedade de escassez embutida que limita a sua oferta a não mais de 21 milhões de unidades de bitcoin. Ao contrário das moedas fiduciárias, a velocidade de criação de novos bitcoins é definida em código e não mudará. À medida que o número de bitcoins a serem minerados continua diminuindo, estamos vendo a rede e seu ecossistema crescerem.

A maioria dos novos entrantes do mercado de criptomoedas são instituições e investidores profissionais que estão alocando parte de suas carteiras em Bitcoin e outros ativos digitais, como por exemplo o Ethereum, pois esses investimentos oferecem bons retornos ajustados ao risco em comparação a outros ativos, conforme pode ser observado no gráfico a seguir.

O futuro da indústria de ativos digitais parece muito promissor, com muitas novas aplicações e tecnologias sendo desenvolvidas. Atualmente, há uma onda global de novos Bitcoin Exchange Traded Funds (ETFs) sendo introduzidos no mercado. Esse tipo de produto alivia significativamente a barreira de entrada para muitos tipos de investidores, especialmente as instituições maiores e mais sofisticadas. Outras inovações, como ofertas de token de segurança (STOs) e outros títulos mobiliários digitais, também devem ganhar terreno nas próximas semanas e meses.

O Bitcoin tem algumas vantagens importantes sobre os ativos tradicionais. É verdadeiramente líquido, fungível, facilmente acessível de qualquer lugar do mundo e é negociado 24 horas por dia, 7 dias por semana. Ao contrário das moedas fiduciárias, o Bitcoin não tem autoridade ou banco central para tomar decisões sobre a sua oferta. Em uma era de crescente preocupação com a inflação, o Bitcoin se posiciona como uma alternativa eficaz para proteção contra a inflação.